Blog

A IMPORTÂNCIA DA GRATIDÃO

Em 01/08/2019 17:16:21


A IMPORTÂNCIA DA GRATIDÃO. 

Sabe como aprendemos desde pequenos as palavras mágicas “por favor” e “obrigado”? Pois é. Elas contêm mais magia do que imaginamos, e hoje vou tentar explicar um pouquinho sobre a sensação de agradecimento sincero.

É muito comum ouvir todos os dias uma quantidade enorme de motivos para se queixar. Está quente demais ou frio demais. Chove ou faz sol. As cidades estão violentas. Os preços estão mais caros. Fulano falou mal de Beltrano. E a lista parece interminável...

O problema de fazer da reclamação um hábito é que ela acaba ocupando o seu espaço mental, a ponto de fazê-lo esquecer todas as coisas pela qual é ou deveria ser grato. Vou me fazer entender com exemplos simples.

Você acorda de manhã. Passou a noite em uma cama limpa e confortável, debaixo de um teto que o protege? Agradeça. Você foi até o banheiro e abriu a torneira para escovar os dentes. Água, fonte de toda a vida na Terra, saindo da torneira sem nenhum esforço seu? Agradeça. Você tomou um banho quente? Agradeça. Não se passaram trinta minutos do seu dia, e já deu para perceber que você vive melhor do que a realeza de séculos atrás?

Você tem um prato de comida para almoçar? Já parou para pensar no quanto de trabalho foi preciso para uma refeição chegar à sua mesa? Na mais simples salada há folhas que precisaram ser plantadas, regadas, cuidadas, colhidas, selecionadas e cuidadosamente transportadas até o supermercado de onde você as comprou. Já parou para agradecer a cada pessoa que contribuiu para que não fosse você quem tivesse que plantar, esperar e colher?

Já ouviu falar que quem planta uma tamareira nunca come seus frutos? Em média (e aqui excluindo qualquer método artificial que possa servir de atalho), uma tamareira demora de oitenta a cem anos para dar seus primeiros frutos. Isso significa que quem comeu uma tâmara na vida provavelmente deve gratidão às gerações passadas. Alguém já esperou em seu lugar. 

Vou fazer um parêntesis. Eu tenho uma queda particular por cozinhar (e por comer, obviamente). Posso começar minha manhã de final de semana com um chá genmaicha que me transporta até o Japão (vale ainda que acompanhado de panquecas);  preparar o risoto do almoço com um toque final de azeite italiano; e terminar o dia na Índia com um delicioso e apimentado curry no jantar. Praticamente uma volta ao mundo em um dia só, e sem precisar sair de casa. Não é incrível? Agradeço. 

Você tem o trabalho dos seus sonhos? Eu tenho a bênção de hoje responder SIM a essa pergunta. Os vigilantes podem confirmar que eu chego em meu gabinete todos os dias pela manhã com o maior sorriso do mundo no rosto. Quando ainda não tinha o trabalho dos meus sonhos, agradecia porque tinha um trabalho, enquanto tantas pessoas não tinham. Quando não tinha um trabalho, não vou mentir: era ansiosa para tê-lo e para ver meus conhecimentos se transformarem em algo prático que eu pudesse visualizar e medir. Hoje, tendo amadurecido, percebo o quanto fui presenteada com uma família que me deu suporte para terminar meus estudos e que garantiu com que nunca me faltasse nada. 

Você chega em casa no fim do dia e é recebido pela esposa, esposo, filhos, animal de estimação? Que alegria! Agradeça. Você mora sozinho? Sua casa provavelmente é mais organizada do que a do primeiro cenário e você só tem as próprias louças para lavar. Agradeça. 

Chegaram contas para pagar? Essa é difícil... Agradeça. Você usufruiu de todos os serviços que agora representam um número. Tem dinheiro para pagar? Ufaa... Agradeça.

Você se aborreceu com alguém que realmente pisou na bola e foi tomado por um sentimento de raiva? Em primeiro lugar, sinta a raiva. Observe a raiva. Fique com ela até passar. Assim que tiver se sentindo disposto, experimente parar por alguns momentos e analisar todas as coisas boas que essa pessoa já fez por você. Se fizer esse exercício sempre, verá que o tempo sentindo raiva diminui a cada treino... E saberá separar o que é raiva do que era apenas uma atitude defensiva exagerada de sua parte.

Você foi mal tratado gratuitamente por um estranho e portanto não há nada que ele já tenha feito por você? Bom... Pense que ele tem que conviver com ele mesmo vinte e quatro horas por dia, o que não deve ser nada fácil. Tenha compaixão. E agradeça porque não é você quem tem que suportá-lo diariamente. Eu sempre começo a rir internamente quando faço esse exercício. 

Você tem saúde para sair de casa? Agradeça. Agradeça muito. De alguns anos para cá me habituei a subir escadas sempre que tenho a oportunidade conjugada com sapatos confortáveis nos pés. Cada degrau é uma lembrança para agradecer por minhas pernas e por meus joelhos perfeitamente recuperados de uma lesão esportiva. Depois que me mudei para um prédio em que preciso subir onze lances de escada até chegar em casa, agradeço com mais força ainda. E também passei a ter maior gratidão pelos elevadores que estão à minha disposição.

Estamos tão acostumados com o que vem até nós automaticamente que nos esquecemos de agradecer. É preciso resgatar a gratidão. Quando a adotamos como hábito, colocamos em perspectiva todos os nossos problemas. Não nos tornamos imunes a contratempos, mas alcançamos a habilidade de enfrentá-los com mais serenidade. Mesmo o que poderia parecer perdidamente sem solução passa a ser mais um desafio que pode ser enfrentado e superado. Feito isso, agradeça não só pelos problemas que já deixou no passado e fizeram de você quem você é hoje, mas pela oportunidade que tem para em breve superar algum percalço do presente. 

Acredite. Coloque a teste. Agradeça por cada coisa que acontecer em seu dia. Quando sabemos ser agradecidos por todos os detalhes que fazem de cada dia um milagre, temos a certeza de que somos invencíveis. Você não só encontrará mais e mais motivos para agradecer pelo que já tem, como também atrairá novos acontecimentos e realizações dignos da mais sincera gratidão.  

 

Posts de Abby Ilharco Magalhães

Esperança esquematizada em 10 lições

Você tem a sensação de que precisa mapear cada detalhe do que fazer até a aprovação? Quantas páginas ler do quê, por quanto tempo ao dia? Por quais livros estudar? Quais cursos fazer? Em quantos concursos se inscrever? Isso não é necessário. Aliás, pode até ser uma jogada atrapalhada de sua parte, j

É possível conciliar o estudo para concursos estaduais e federais?

Se essa for sua pretensão, a resposta é SIM. E como fazer isso? A dica principal é concentrar a rotina básica de estudo nas matérias comuns (e elas são muitas!) e traçar estratégias para estabelecer uma rotina não tão rigorosa de estudo das matérias específicas. Constitucional, Administrativo, Pen